• Redação Mário Sorrentino

SES apresenta ações no 8° Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde



A Secretaria de Estado da Saúde está presente no 8° Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, com a apresentação de trabalhos premiados na “II Mostra Paraíba: aqui tem SUS” e um estande para mostrar a importância da defesa permanente do SUS e as ações exitosas de destaque da Saúde no Estado. O Congresso, com o tema principal “Igualdade nas diferenças”, é sediado na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e vai até segunda-feira (30). As atividades centrais são realizadas na tenda Palmira Lopes (localizada no Estacionamento do Central de Aulas), já os grupos de trabalhos e demais palestras estão distribuídos nos blocos das imediações. 


O público-alvo da atividade são estudantes, professores, ativistas, gestores, pesquisadores, profissionais de saúde e outros atores sociais para promover um amplo debate sobre o valor da igualdade. A secretária executiva de Saúde do Estado, Renata Nóbrega, foi uma das palestrantes da mesa de abertura, e destacou a necessidade da defesa do Sistema Único de Saúde e fez uma reflexão crítica para as políticas públicas de saúde e defesas sociais. 


“É com imensa gratidão que o Governo da Paraíba apoia este congresso, em defesa de um objetivo único, de uma saúde de qualidade. É importante que os movimentos de representações sociais não tenham nenhum direito a menos durante os tempos de conquistas do nosso SUS”, ressaltou Renata.


Também estiveram presentes para compor a mesa de abertura representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, da Rede de Mulheres Indígenas, na Comissão Permanente de Mulheres indígenas de Pernambuco e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), entidade idealizadora do evento. De acordo com um dos presidentes do congresso, Pedro Cruz, a Paraíba sempre contribuiu para o pensamento crítico e por isso é oportuna a escolha do estado para a realização das discussões sobre saúde e ciências sociais. “Aqui na UFPB se produz tecnologia e ciência. Nosso ponto de partida é a realidade social, a justiça social”, enfatizou Pedro.


Esta edição do evento também celebra 40 anos da Associação Brasileira de Saúde Coletiva - Abrasco. O debate crítico e reflexivo, bem como para aprendizado e propostas para a construção de melhorias no atendimento à saúde pública permeiam toda a programação. Durante a mesa redonda “Populações em Situação de Vulnerabilidade, Mobilização e Participação Social: Diálogos do Acesso ao Cuidado em Saúde”, os povos de comunidades tradicionais e a anemia falciforme foram debatidos. A coordenadora de Saúde da População Negra da SES, Adélia Gomes, utilizou o momento de fala para ressaltar a relação dos terreiros com os atendimentos de saúde. “80% das pessoas que procuram os terreiros possuem sintomas relacionados a desmaios e dores associadas a energia. Precisamos pensar o acolhimento desta população com um olhar para a saúde integral”, explicou Adélia, ao ressaltar que uma parte da população não busca as unidades de saúde por temer algum tipo de preconceito religioso.


Durante o debate foi ressaltada a necessidade da integração entre a as instituição formadoras de profissionais, os movimentos sociais e a gestão pública, para que as populações vulneráveis recebam o atendimento à saúde de forma integral. Debates sobre saúde mental, construção coletiva do SUS, saúde indígena, Política Nacional de Saúde Integral do SUS a População LGBTQI+ então entre os temas a serem debatidos nos próximos dias de evento.  




#ses #congresso

© 2017 por Mário Sorrentino. Orgulhosamente criado pela Equipe.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco