© 2017 por Mário Sorrentino. Orgulhosamente criado pela Equipe.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Redação

PT, PSOL e MBL criticam suspensão de investigação sobre Fabrício Queiroz



A decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender as investigações sobre movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e de outros assessores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), foi criticada no Twitter por parlamentares membros do PT, do PSOL e do Movimento Brasil Livre (MBL). O pedido foi solicitado pela defesa de Flávio, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro.


Presidente nacional do PT, a senadora e deputada federal eleita Gleisi Hoffmann (PR) mostrou indignação com a decisão anunciada no começo da tarde desta quinta-feira, 17. “Muito grave a notícia de que o Supremo suspendeu a investigação sobre o caso. Os pesos e medidas são muito diferentes. Para Lula, basta convicção, para os Bolsonaros nem documento público é considerado”, afirmou a petista.


Kim Kataguiri, uma dos principais líderes do MBL, escreveu que o pedido “cheira muito mal”. “Entrar com pedido para ser investigado em foro especial é, no mínimo, suspeito”, afirmou o deputado federal eleito do DEM-SP.


O senador Humberto Costa (PT-PE) questionou se a situação vai terminar sem resolução. “Até hoje, MP sequer conseguiu ouvi-los. Vai acabar tudo em pizza?”, escreveu em seu Twitter.


O ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) ironizou a declaração do deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) feita ano passado de que, para fechar o Supremo Tribunal Federal, bastaria um soldado e um cabo. “STF acaba de suspender a investigação de Queiroz a pedido de Flávio Bolsonaro. O cabo e o soldado já entraram no STF”, disse.

As movimentações financeiras e repasses de recursos de Queiroz foram descobertas pelo Coaf – Conselho de Controle de Atividades Financeiras.


O amigo da família Bolsonaro vem evitando há mais de um mês prestar esclarecimentos ao Ministério Público do Rio de Janeiro, sempre alegando problemas de saúde.



(Fonte)