• Redação Mário Sorrentino

Penitenciária ganha fábrica de gesso e beneficia reeducandos


A missão da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária é coordenar a política estadual de assuntos penitenciários, guardar e promover a ressocialização dos reeducandos. A visão da Seap é ser uma Secretaria estruturada institucionalmente para a contenção qualificada, como também voltada para a reintegração do reeducando por meio do Programa de Ressocialização Cidadania é Liberdade. Diversas ações que promovem a reintegração de apenados são realizadas nas penitenciárias de forma permanente, muitas delas em parceria com instituições e entidades.


Nesta semana, foi inaugurada uma fábrica de gesso na Penitenciária de Segurança Máxima Geraldo Beltrão, em João Pessoa. Um investimento do Juizado Especial de Mangabeira repassado à Fundação Cidade Viva, que administrou a obra construída por apenados da unidade.


De acordo com o secretário de Estado da Administração Penitenciária, tenente-coronel Sérgio Fonseca, “a missão prioritária da Seap é de fato ressocializar os reeducandos de forma humanizada, tentar transmitir valores, ensinamentos e a prática em alguma profissão, o que contribui com a reconquista do exercício da cidadania, para quando ganharem a liberdade surgir a oportunidade de voltar ao mercado de trabalho. Esta fábrica de gesso aqui na Penitenciária Máxima Geraldo Beltrão, por meio do Juizado Especial de Mangabeira e da Fundação Cidade Viva, é uma das várias ações, em parceria, que temos no Sistema Penitenciário da Paraíba”, pontuou.


De acordo com o diretor da penitenciária, João Sintonio, a fábrica de gesso foi construída este ano com recursos do juizado especial de Mangabeira utilizando a mão de obra dos próprios apenados da unidade. “Todos os 20 reeducandos participantes receberão em conta bancária, além de fazerem jus à remição de pena, ou seja, a cada 3 dias trabalhados será reduzido um dia da pena. A produção será por demanda contratada, porém temos capacidade de produzir mais de 200 m² por dia. Será destinada à própria administração pública e ao público em geral. Teremos um Instagram para divulgação do trabalho executado e todos os produtos produzidos, especialmente o gesso 3D”, explicou o diretor.


Ainda participaram da solenidade da fábrica, o juiz titular da Vara de Execuções Penais da Capital, Carlos Neves da Franca Neto, a juíza Andréia Arcoverde, gestores da Fundação Cidade Viva, entre outras autoridades. O diretor da penitenciária, João Sintonio, destacou a importância da restauração da fábrica de gesso e apresentou aos convidados o talento musical dos apenados que apresentaram algumas músicas.

© 2017 por Mário Sorrentino. Orgulhosamente criado pela Equipe.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco