google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 

Paraíba tem o segundo maior percentual do país de população plenamente vacinada contra Covid-19


A Paraíba é o segundo ente federativo que mais vacina. Um comparativo de percentual de plenamente vacinados contra a Covid-19, com o esquema duas doses, aponta o estado com 9,6%, ficando atrás apenas do Rio Grande do Sul, com 10,3%. Na região Nordeste, o Rio Grande do Norte vem em segundo, com 8,36%, seguido de Pernambuco com 7,7%. Os dados são do Ministério da Saúde, e datam desta terça-feira, 18 de maio.


Até a manhã de hoje, foi registrada no sistema de informação SI-PNI a aplicação de 1.164.140 doses na Paraíba. Desde o dia 19 de janeiro até o momento, já foram distribuídas 1.408.078 doses da vacina Sinovac/Butantan, Astrazeneca/ Fiocruz e Pfizer/Comirnaty para os 223 municípios. A Campanha de Vacinação em andamento incorporou, até a entrega na 19ª pauta, os seguintes grupos prioritários: trabalhadores de Saúde (100%); idosos com 60 anos ou mais que residem em instituições de longa permanência e pessoas a partir de 18 anos de idade, com deficiência, institucionalizadas (100%); povos indígenas vivendo em terras demarcadas (100%); idosos de 60 anos ou mais (100%); Quilombola (100%); Forças de Segurança, Salvamento e Forças Armadas (31,6%); Comorbidade, Gestantes, puérperas e população com deficiência permanente (24,76% até 16ª pauta, mais 5,1% e 12,63% da vacina Pfizer aos municípios de João Pessoa, Cabedelo e Campina Grande).


De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde da Paraíba, Talita Tavares, 135 municípios da Paraíba encontram-se com o registro de doses aplicadas acima dos 80%, considerando as doses 1 e 2 aplicadas em relação às recebidas. E 68 estão com o registro completo de esquema vacinal acima de 90%. As cinco cidades que apresentaram maior percentual foram São José do Brejo de Cruz, Boa Vista, Teixeira, Quixaba e São Sebastião do Umbuzeiro.



A gerente reforça a importância das gestões municipais de fazerem a busca ativa dos usuários com esquema vacinal iniciado. Ela explica que é preciso garantir a imunidade estabelecida pelos laboratórios produtores das vacinas dentro do tempo correto de aprazamento. Embora alguns municípios estejam com a aplicação da dose 2 atrasada, Talita Tavares pontua que, mesmo com o intervalo entre as doses superado, a vacina não perde o efeito. Pelo contrário, o que pode ameaçar é deixar de tomar a segunda dose.


Nesta terça-feira, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) irá receber mais um lote de Coronavac, que será distribuído entre os municípios que estão com a aplicação da D2 atrasada. “Essas doses foram solicitadas de acordo com levantamentos apresentados por gestores dos municípios. A gente entende que eles têm esse levantamento, acompanhamento dos usuários com o esquema em aberto e assim essa remessa vem atender a essa solicitação”, explica a gerente.


Até o momento, 777.689 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 388.790 com a segunda dose da vacina.