google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 
  • Redação Blog Mário Sorrentino

Jacaré que apareceu morto na orla de João Pessoa será usado em ações de educação ambiental


Um jacaré-de-papo-amarelo com mais de 1,5 metro de comprimento foi encontrado morto, nesta quinta-feira (15), entre as praias da Penha e Seixas, em João Pessoa. O Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb) fez uma análise preliminar e não encontrou sinais de violência no animal, que estava inchado e já entrando em estado de decomposição. Uma das hipóteses é que ele tenha morrido na correnteza do Rio do Cabelo, que fica perto do local, e depois foi arrastado pelas águas para a praia.


Após um laudo com a conclusão definitiva da causa da morte, o Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb) vai iniciar o procedimento de taxidermia (popularmente conhecido como empalhamento) para que o jacaré seja usado em ações de educação ambiental (foto acima, registro antes da pandemia), que são desenvolvidas pela PM para chamar a atenção da população para a importância da preservação da fauna brasileira.



O rio onde possivelmente o jacaré morreu fica em uma área considerada como habitat natural do animal, por isso são geralmente soltos na região, quando aparecem no meio urbano e são resgatados. Em períodos de alternância de clima (dias chuvosos com dias quentes), a espécie costuma aparecer em ambientes urbanos, pois são animais de “sangue frio” (que são aqueles que não são capazes de regular a temperatura de seu próprio corpo).


Quem se deparar com um jacaré, deve acionar o Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb) pelo 190, não tentar de maneira alguma pegar por conta própria e manter só o contato visual com o animal. O BPAmb lembra que tentar matar o animal é crime ambiental punido com pena de detenção de seis meses a um ano e multa.