• Redação Mário Sorrentino

FPF cria canal direto entre clubes e CBF para tratar de problemas com a arbitragem



O Campeonato Paraibano começou com certa polêmica acerca da arbitragem. A fim de blindar a integridade da classe no Estado, que anda em curso de reestruturação, a Federação Paraibana de Futebol (FPF) lançou, no último dia 24, um documento que possibilita os clubes a recorrerem à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) quando se sentirem prejudicados por determinada equipe de arbitragem em algum jogo do certame estadual. Conforme o documento da FPF, "o presidente responsável pela entidade (o clube reclamante) deverá encaminhar um ofício aos nossos cuidados, anexando a gravação da partida em sua íntegra". Daí em diante, a Ouvidoria da CBF receberá e analisará as reclamações formalizadas.


Em caso de veridicidade nas queixas, a equipe escalada para comandar o respectivo jogo será recrutados para uma espécie reciclagem. O documento diz que "as punições vão do afastamento temporário do quadro de arbitragem à participação em Programas de Treinamento".


O presidente da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol da Paraíba (Ceaf-PB), Arthur Alves, aposta na sensatez dos clubes para que as rédeas que o documento viabiliza não sejam violadas.


- Acreditamos nos clubes. O que colocarem no papel será analisado com as imagens que estarão acompanhando o documento do jogo, na íntegra, sem cortes - disse o presidente.


Em três rodadas, as contestações mais acentuadas aconteceram nos jogos entre Sousa e Campinense, na rodada de abertura, e Botafogo-PB e Atlético de Cajazeiras, nesta terceira rodada. Inclusive, na primeira delas, o presidente do Sousa, Aldeone Abrantes invadiu o campo para reclamar com o árbitro sergipano Eloane Gonçalves Santos, precisando ser contido pela polícia. O árbitro registrou as palavras proferidas à ele, e, julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o mandatário do Dinossauro foi suspenso das atividades por 30 dias.


No jogo entre Belo e Trovão Azul, a maior bronca ficou por parte do time cajazeirense. A reclamação ficou por conta do primeiro gol do Botafogo-PB, em que alegam impedimento de Nando, antes de dar a assistência para Clayton marcar o primeiro gol. Mais à frente, no início do segundo tempo, o gol de Soares, anulado pela interpretação do impedimento de Mendes, que tentou o cabeceio, revoltou jogadores e comissão técnica.

Bandeirinhas em treinamento


O aprimoramento técnico dos árbitros assistentes foi percebida e tão logo sugerida pelo departamento de arbitragem. Terá início a partir do dia 5, se estendendo a todas as terças-feiras de fevereiro, das 15 às 18h, no CT Ivan Thomaz.


O treinamento será prático e foi pedido após a Comissão Estadual de Arbitragem atestar um longo período dos assistentes sem treinamento teórico e prático. A convocação que se estende a todos os assistentes, e que é considerado como necessidade pela Comissão, não impõe que todos estejam presentes nas atividades.


- Eles (assistentes), assim como os árbitros, estão há mais de três anos sem realizarem treinamento prático. Acredito que nunca realizaram, exceto os do quadro nacional - explicou Arthur.

Sobre a possibilidade de algum árbitro do quadro paraibano apitar ainda na primeira fase do Campeonato Paraibano, Arthur Alves foi moderado.


- Estamos analisando essa possibilidade - disse brevemente.


Os árbitros paraibanos ainda não apitaram até o presente momento do torneio. Em três rodadas disputadas, apenas árbitros da Federação Sergipana e árbitros paulistas, recém-chegados ao quadro de arbitragem da Paraíba, apitaram. Árbitros federados no Estado seguem retidos para serem escalados nas partidas.




(Fonte)

© 2017 por Mário Sorrentino. Orgulhosamente criado pela Equipe.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco