google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 

Com 1.582 mortes em 24h, Brasil registra o dia mais letal na pandemia


Um dia após atingir a marca de 250 mil mortes por covid-19, o Brasil voltou a apresentar números alarmantes. Nesta quinta-feira (25), o país registrou o recorde de novas mortes causadas pela doença nas últimas 24 horas: 1.582. O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa, baseado em dados fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde.


Até então, o dia com maior número de mortes por covid-19 havia sido computado em 29 de julho, com 1.554 óbitos. Os números não indicam quando os óbitos ocorreram de fato, mas, sim, quando passaram a contar dos balanços oficiais. O total de vítimas até agora é de 251.661.


Além disso, pelo segundo dia consecutivo, o Brasil apresentou a maior média móvel em toda a pandemia: 1.150 óbitos nos últimos sete dias. Na quarta-feira (24), a média foi de 1.129 óbitos, até então a marca mais alta.




Seis estados computaram pelo menos cem mortes em um intervalo de 24 horas


  • 345 - São Paulo

  • 197 - Rio de Janeiro

  • 161 - Minas Gerais

  • 120 - Rio Grande do Sul

  • 109 - Paraná

  • 100 - Bahia


O Brasil vive atualmente o seu pior momento na pandemia. O país passa pelo maior período com média de mortes acima de mil: já são 36 dias. Das cinco médias mais altas registradas desde março de 2020, quatro ocorreram nas duas últimas semanas. Além dos dois dias já citados, em 14 de fevereiro a média foi de 1.105; no último dia 23, chegou a 1.095.


Nas últimas 24 horas, houve 67.878 diagnósticos positivos para o novo coronavírus em todo o país. Desde o início da pandemia, o total de infectados chegou a 10.393.886.




A análise das médias móveis estaduais mostra um aumento nos estados com tendência de aceleração. Hoje, foram 13 contra apenas 4 com tendência de queda. Nove estados mais o Distrito Federal estão em situação de estabilidade.


Das regiões, apenas o Norte teve queda (-25%) após dias seguidos em estabilidade. Já Nordeste (36%) e Sul (47%) tiveram aceleração. Centro-Oeste (-3%) e Sudeste (3%) se mantiveram estáveis.


A vacinação começou em meados de janeiro, mas segue em passos tímidos: apenas 2,92% da população havia recebido pelo menos uma dose de imunizante, segundo dados divulgados hoje pelo consórcio.




Fonte: UOL