google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 

“Capanga de miliciano”; Termina em confusão audiência com Moro na Câmara dos Deputados; Veja o vídeo



Terminou em bate-boca a participação do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, na comissão especial que discute a prisão pós-condenação em 2ª Instância na Câmara, nesta quarta-feira (12).


O deputado Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da comissão, teve de encerrar a sessão antes da participação de todos os inscritos para falar por causa do tumulto.


Assista ao momento da discussão:



A briga começou quando o deputado Glauber Braga (Psol-RJ) chamou Moro de capanga da milícia, capanga da família Bolsonaroe, em resposta, foi chamado pelo ministro de “desqualificado para o exercício desse cargo”.


O deputado acusou Moro de atuar junto à Polícia Federal para isentar o senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ).


O senhor Sergio se apresenta de maneira muito polida, mas mente descaradamente. Toda vez que é questionado sobre o caso Flavio Bolsonaro diz que essa é uma responsabilidade do MP-RJ, da Polícia do Rio. Mente e trabalha como 1 blindador da família e, consequentemente, da milícia, porque nos últimos dias saiu 1 relatório da PF isentando Flavio Bolsonaro de responsabilidade das negociações que fez de imóveis no Estado do Rio de Janeiro, disse.


Esse tipo de atuação, que finge ser uma coisa mas é outra, é a atuação de lobo em pele de cordeiro. Finge se apresentar nessa comissão como 1 defensor do Brasil contra a corrupção, mas está no exercício do Ministério da Justiça blindando corruptos e sendo parte de uma articulação que blinda o crime organizado, continuou Braga.


Moro respondeu: Deputado, o senhor não tem fatos, não tem argumentos, só tem ofensas. O senhor é 1 desqualificado para o exercício desse cargo”. A essa declaração, Ramos voltou a pedir para que ambos não usassem palavras ofensivas. O ministro, em seguida, disse que estava só “redarguindo uma ofensa, mas não na mesma proporção” em que foi ofendido.


Não existe nenhum fato que possa ser invocado contra meu trabalho no Ministério da Justiça protegendo X ou Y em qualquer investigação. Nenhum fato concreto existe, completou Moro.


Ao fim do embate, Ramos tentou dar prosseguimento à sessão, mas outros deputados passaram a trocar ofensas. Diante da situação, ele encerrou a sessão.




(fonte)


#camara #discursao #deputado #moro