google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 

Brasil supera 180 mil mortes por covid-19; casos ultrapassam 6,8 milhões


O Brasil ultrapassou hoje a marca dos 180 mil mortos pela covid-19. Nas últimas 24 horas, o país registrou 652 novas mortes causadas pela doença, elevando o total de óbitos para 180.453 desde o início da pandemia. As informações são do consórcio de veículos de imprensa.


De acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é o segundo país com o maior número de mortes por covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que somou 293.633 óbitos confirmados até o início desta tarde. A Índia aparece em terceiro, com 142.186.


O Brasil teve 52.770 novos casos positivos para a covid-19 de ontem para hoje, elevando o número de infectados para 6.836.313 desde o começo da pandemia.




8 dias de alta na média móvel


Segundo os cálculos dos veículos de imprensa, a média de mortes nos últimos sete dias foi de 639, o que representa uma aceleração de 25% na comparação com 14 dias atrás. Foi o oitavo dia consecutivo com tendência de alta na média móvel.



O país tem 19 estados mais o Distrito Federal com tendência de alta na média móvel de mortes. Ontem e quarta-feira (9) o país registrou o maior número de estados em alta desde o início do cálculo pelo consórcio: 21.


Além disso, apenas três estados apresentaram tendência de queda: Amazonas (-51%), Ceará (-24%) e Maranhão (-38%). Ao passo que quatro se mantiveram estáveis.


Entre as regiões, apenas o Norte teve estabilidade (-9%). As demais apresentaram aceleração: Centro-Oeste (30%), Nordeste (22%), Sudeste (24%) e Sul (40%).



Para medir a situação das mortes por causa da covid-19, especialistas indicam usar a média móvel dos óbitos, que calcula a média de registros observada nos últimos sete dias. A operação é a mais adequada para observar a tendência das estatísticas, por equilibrar as variações abruptas dos números ao longo da semana.

O consórcio de veículos de imprensa adotou esse período para verificar as oscilações na média móvel. É possível falar em queda nos números quando a diminuição é maior do que 15% se verificado nos últimos 14 dias —no caso, o período das duas últimas semanas. Caso os números aumentem mais do que 15%, há aceleração da epidemia. Valores intermediários indicam estabilidade.





Fonte: UOL