google-site-verification=x12ECGCyA0KNTkoWmjRcJ_j75nXlJ8lrVJTTDnmc1zI
 

Bolsonaro se acovarda mais uma vez e muda discurso agressivo sobre o Carnaval



Depois de ser alvo de uma enxurrada de críticas sobre publicação de vídeo sobre comportamento despudorado e questionável de foliões no carnaval, papel que não compete a um chefe de Estado que se preze, Bolsonaro, aconselhado por assessores do palácio, decidiu colocar a covardia na avenida e mudar o discurso radicalmente.


Em nota distribuída pela assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, Bolsonaro afirma que sua intenção não era criticar o Carnaval, mas uma situação pontual. Mas na postagem em sua conta no Twitter, ponto de partida da colossal polêmica, o tom foi outro.


“Não houve intenção de criticar o carnaval de forma genérica, mas sim caracterizar uma distorção clara do espírito momesco, que simboliza a descontração, a ironia, a crítica saudável e a criatividade da nossa maior e mais democrática festa popular”, afirmou Bolsonaro voltando atrás.


O presidente afirma que o ato protagonizado por dois foliões configura crime, mas não especifica qual. “É um crime, tipificado na legislação brasileira, que violenta os valores familiares e as tradições culturais do carnaval”, ressalta o texto.


Inicialmente, a assessoria de imprensa disse que não se manifestaria sobre o caso por se tratar de assunto relacionado à conta pessoal de Bolsonaro no Twitter, que o presidente usa diariamente para governar.


Despreparado para ocupar o cargo de presidente da República, Bolsonaro é uma figura que repetidas vezes é obrigado a se submeter às ordens dos assessores, o que evita que o governo vá pelos ares antes da hora.


Após as repercussões negativas e um longo silêncio do Planalto, Bolsonaro foi convencido por aliados a divulgar uma nota de esclarecimento.


Ele recebeu em seu gabinete o general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI, e Otávio Rêgo Barros, porta-voz da Presidência. Durante o encontro ficou decidido que o melhor seria a elaboração de um texto conciliador, mantendo o discurso conservador sobre as cenas do vídeo, mas deixando evidente um recuo do presidente em relação às críticas ao Carnaval, maior festa popular do País.


Em pouco mais de dois meses, Bolsonaro já mostrou a que veio: causar confusões, enquanto o País aguarda soluções para os muitos problemas que afligem os brasileiros. Sem doses mínimas de competência para comandar o País, Jair Bolsonaro decretou a falência do seu governo com uma postagem pífia e descabida, atitude típica de populista que não consegue existir sem jogar para a plateia.



(Fonte)